HISTÓRIA DO VINHO

São tantas as origens do vinho que não se sabe onde, como ou quando ele surgiu, pois sua história se confunde com a da própria humanidade. 

Essa bebida esteve presente na vida do homem desde as primeiras civilizações, e a primeira documentação arqueológica aconteceu no ano de 1992, quando pesquisadores encontraram no Irã uma ânfora (recipiente feito de barro) de 3.500 a.C, contendo, no seu interior, uma mancha residual de vinho. No ano de 1996 foi descoberto, nessa mesma região, uma jarra de cerâmica, datada entre 5.400 e 5.000 a.C. com manchas da bebida e resina vegetal. 

Em 2011, na Armênia, foram descobertas instalações de produção ainda mais antigas, nas cavernas de Areni, com idade estimada de 6.000 a 8.000 anos. Confirmando assim a provável idade da bebida que é de até 8.000 anos.

Em relação a sua origem, registros históricos e provas arqueológicas apontam a região do Cáucaso, correspondente aos países caucasianos Geórgia e Armênia, assim como áreas do Oriente Médio, em sua maior parte na região dos vales dos rios Tigre e Eufrates, onde hoje se situam países como a Turquia (oriental), Síria, Irã, Iraque, Líbano, Jordânia e Israel. Essa região é conhecida por ser o berço da humanidade e da urbanidade. Aqui o vinho surge junto à organização social e civilizatória da humanidade. No entanto, a maior parte dessa região perdeu a tradição, devido a religião islâmica lá adotada que proíbe o consumo de álcool. 

A partir deste período a bebida se propagou até o Egito, onde aprimorou-se, e mais tarde sua cultura chegou à Grécia. Pelo mediterrâneo, em embarcações, os gregos colonizaram a Europa Ocidental, levando-o também para as atuais Itália e França. Após a decadência da civilização grega e a ascensão da civilização romana, a península itálica, denominada a terra do vinho pelos gregos, aprimorou sua elaboração e juntamente com a expansão do Império Romano, levou a vitivinicultura a todos os países da Europa, ao norte da África e a parte da Ásia. 

Já nas Américas, as uvas europeias da espécie Vitis vinífera, que dão bons vinhos, foram introduzidas pelos tripulantes das caravelas de Cristóvão Colombo, quando realizou sua segunda viagem às Antilhas em 1493. Chegando ao México, a costa oeste dos Estados Unidos e as colônias espanholas da América do Sul. No Brasil, a espécie de uva Vitis vinífera foi introduzida nos anos de 1525 a 1532. Desde então, houveram muitas descobertas.

No século XIX, Louis Pasteur revolucionou a elaboração da bebida, descrevendo micro-organismos e os processos de fermentação antes desconhecidos, dando ao homem controle sobre a vinificação. Já a partir do século XX, o mundo do vinho obteve novos rumos com o desenvolvimento tecnológico, hoje possuindo altos níveis de qualidade, ganhando infinitos fãs e adoradores.